Helmintosporiose-do-milho
Helminthosporium maydis (Bipolaris maydis)

Descrição: Esta doença é conhecida há muitos anos no Brasil, mas somente a partir de 1970 é que ganhou importância maior, devido aos prejuízos causados na cultura. Duas raças fisiológicas já foram descritas para o patógeno: a raça O, mais antiga e não tão destrutiva e raça T, a grande responsável pelo aumento da importância da doença. A raça 1 possui especificidade para milhos portadores de citoplasmas T ou P, que conferem esterilidade masculina, enquanto plantas com citoplasmas C ou S, que também conferem esterilidade masculina, e plantas com citoplasma normal comportam-se como resistentes. Em 1970, a grande maioria dos milhos híbridos produzidos com o uso de esterilidade masculina T (para dispensar a operação de despendoamento) era extremamente suscetível ao patógeno. Com a substituição dos híbridos suscetíveis, a doença perdeu seu caráter epidêmico, embora continue ocorrendo, na forma da raça O, em regiões quentes e úmidas, com danos econômicos menos significativos.

Danos: As lesões cansadas pela raça O do patógeno são alongadas, medindo 0,2-0,6 cm de largura por 0,5-2,0 cm de comprimento, de coloração marrom-claro a marrom-castanho, com bordos paralelos, podendo apresentar uma coloração mais escura no centro. As lesões cansadas pela raça T são maiores, medindo 0,6-1,2 cm de largura por 0,6-2,7 cm de comprimento, de forma elíptica ou fusiforme, com coloração castanha, podendo ocorrer a formação de halos cloróticos. Esta raça pode causar lesões na folha, bainha, colmo, bráctea, pedúnculo da espiga e, até mesmo, provocar podridão de sabugo. Plântulas podem apresentar sintomas de murcha devido à transmissibilidade do patógeno pelas sementes.

Controle: Os híbridos comercializados atualmente não são produzidos com a macho esterilidade T e, portanto, são resistentes à raça T do patógeno. A reação das plantas à raça O é controlada geneticamente e, portanto, a escolha de cultivares resistentes para plantios em regiões onde a doença tem importância econômica é uma medida eficiente de controle.