Dente-de-leão (Dente-de-leão-dos-jardins, Amargosa, Taraxaco)
Taraxacum officinale (Taraxacum dens-leonis, Taraxacum vulgare, Taraxacum alpinum)

Sinonímia: Taraxacum dens-leonis Desf., T. vulgare Lam./Schrank.,T. alpinum C. Koch., T. aureum Fisch., T. wallichii DC. , Leontodon taraxacum L.

Regiões de ocorrência: Sul, Sudeste, Norte, Nordeste, Centro-Oeste.

Família: Asteraceae (Compositae).

Características da planta: Divisão/Classe: Angyospermae Dicotyledoneae; Ciclo: Anual / Perene; Reprodução/Propagação: Rebrotamento de Raiz, semente; Habitat/Tipologia: Planta Acaul; Adaptações: Acaule com escapo floral.

Características das folhas: Filotaxia: Rosulada; Forma do limbo: Segmentadas - Partida; Superfície: Glabratas; Consistência: Herbácea; Nervação/Venação: Peninérveas; Comprimento: 25.

Características das flores: Inflorescência: Capítulo; Perianto: Monoperiantada, Metaclamídea, Hermafrodita.

Tipologia do fruto: Aquênio.

Observações: Espécie infestante invernal, frequênte no sul do Brasil onde infesta culturas de cereais, pastagens e jardins. Libera etileno podendo interferir em processos fisiológicos de plantas visinhas. É usada na alimentação como salada e suas flores são melíferas. Indicadora de presença de boro no solo. Apresenta a parte aérea anual e a subterrânea perene, a raiz possui gemas que possibilitam a regeneração da planta. As sementes são formadas por apogamia.