Brazil

Patrol SL

registration_data_unavailable
ADAMA - herbicide
19016

INSTRUCOES DE USO E CULTURAS:
O PATROL SL é um herbicida de ação não sistêmica, pré-emergente, seletivo condicional (seletivo para algodão e milho geneticamente modificados, tolerantes ao glufosinato de amônio, e não seletivo para as demais variedades e híbridos de algodão e milho convencionais) indicado para o controle de plantas infestantes nas seguintes situações:
• Aplicação em área total em pré-plantio (dessecação) das culturas de: soja e trigo.
• Aplicação em pós-emergência (da planta infestante e cultura) na forma de jato dirigido para as culturas de: alface, algodão, banana, café, citros, eucalipto, maga, milho, nectarina, pêssego, repolho e uva.
• Aplicação em área total para dessecação da cultura em pré-colheita de batata, feipo e soja.
• Aplicação cm pós-emergência em área total nas culturas de algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado.
• Aplicado em pós-plantio e pré-emergência da cultura da batata na fase de "crackingtiming" (rachamento do solo antes da emergência da cultura).

Número, EPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
ALFACE:
Aplicar em pOs-emergencia das plantas infestantes, protegendo a planta de alface com copinhos plásticos (sistema de copinhos), quando as plantas infestantes estiverem com 2 a 4 folhas. Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.

ALGODAO:
Para controle das plantas infestantes, aplicar na entrelinha da cultura, quando esta estiver com 40 cm de altura.Para capim-pe-de-galinha, capim-colchão, capim-marmelada, capim-massambara realizar a aplicação no inicio de perfilhamento.Para carrapicho-de-carneiro, trapoeraba, caruru, amendoim-bravo, caruru-rasteiro, picao-preto e fedegosa, realizar a aplicação quando as plantas infestantes estiverem com 2 a 4 folhas. Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.

ALGODAO GENETICAMENTE MODIFICADO:
PARA UMA UNICA APLICAÇÃO:
Realizar a aplicação do produto em pós-emergencia da cultura, utilizando a dose de 3,0 a 3,5 L/ha. Aplicar o produto com adição de 0,25% de Óleo vegetal ou mineral na calda de aplicação. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:Estádio de 2 a 4 perfilhos Plantas infestantes controladas:
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea)
• Capirn-carrapicho (Cenchrus echinatus)Estádio de 4 a 8 folhas 

Plantas infestantes controladas:
• Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia)
• Carrapicho-de-carneiro (Acanthospennum hispidurn)
• Apaga-fogo (Alternanthera tenella)
• Erva-quente (Spermacoce latifolia)
• Beldroega (Portulaca oleracea)

• APLICAÇÃO SEQUENCIAL:Fazer a aplicação seqüencial do produto em pós-emergência da cultura, utilizando a dose de 2,0 a 2,5 L/ha, com intervalo de 14 dias. Aplicar o produto com adição de 0,25% de óleo vegetal ou mineral na calda de aplicação. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:Estádio de até 2 perfilhos:Plantas infestantes controladas:
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea) 
• Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus)
Estádio de 2 a 4 folhas: Plantas infestantes controladas:
• Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia)
• Carrapicho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum) 
• Apaga-fogo (Alternanthera tenella)

BANANA:
Aplicar em jato dirigido ou na linha de plantio quando as plantas infestantes de folha larga estiverem com 2 a 6 folhas, e as de folha estreita com até 1 perfilho.Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.

BATATA:
Para controle das plantas infestastes: realizar a aplicação na fase de "crackingtiming" (compreende a fase de rachamento do solo, antes da emergência da cultura), realizar a aplicação quando as plantas infestantes estiverem com 4 folhas e as gramíneas até 1 perfilho.Para dessecação de "batata consumo": Aplicar 2,0 L/ha do produto comercial + 0,7 L/ha (0,2% v/v) dc óleo vegetal ou mineral, sobre as ramas da cultura, 10 dias antes da colheita. Trapoeraba (Commelina benghalensis), picão-preto (Bidens pilosa) e guanxuma-branca (Sido glaziovii) com 10 a 20 cm de altura, também são dessecadas pelo produto, caso ocorram na área.Recomenda-se urna única aplicação por ciclo da cultura.

CAFÉ:
Aplicar em cafeeiros adultos, em jato dirigido na linha da cultura, tio período de novembro a abril. Em trapoeraba, picão-preto, buva, macela-branca, mentrasto, caruru, beldroega, guanxuma e guanxuma-branca, aplicar quando estas estiverem com até 4 folhas.Em capim-marmelada e capins-colchão, aplicar até a fase de inicio do perfilhamento. Recomenda-se urna única aplicação por ciclo da cultura.

CITROS:
Pode ser aplicado no sistema de coroamento e na linha de plantio (jato dirigido) sem atingir a cultura. As plantas infestantes devem estar em crescimento ativo.Em capim-marmelada e capim-colchao, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 2 perfilhos. Em capim-pe-de-galinha, capim-amargoso c capim-carrapicho, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 1 perfilho.Em maria-gorda, guanxuma, falsa-serralha, malva-branca, carrapicho-de-carneiro, picifo-preto, amendoim-bravo e trapoeraba, aplicar quando a planta infestante estiver com ate 4 folhas. Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.

EUCALIPTO:
Aplicar em jato dirigido, nas entrelinhas da cultura, em pós-emergência das plantas infestantes, quando estas estiverem em vegetação plena. Na dose recomendada, fazer o controle das plantas infestantes de folha estreita quando estiverem com ate 4 perfilhos, e em folhas largas com ate 8 folhas.

FEIJAO:
Para dessecação em feijão para consumo:
Aplicar a dose de 1,8 L/ha quando a cultura apresentar aproximadamente 50% das vagens secas.Para dessecação em feijão para sementes:
Aplicar a dose de 2,0 L/ha, somente quando a cultura apresentar 70% das vagens secas.Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.

MAÇA:
Dirigir a aplicação na linha da cultura adulta, sem atingi-la.Aplicar em poaia, trevo, guanxuma, maria-mole, nabo, serralha, losna-branca, beldroega, picao¬branco, picao-preto e língua-de-vaca quando as plantas infestantes estiverem de 5 a 10 cm. Em capim-colchão, azevem e capim-marmelada, aplicar com ate 1 perfilho.Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.

MILHO:
Aplicar em jato dirigido nas entrelinhas da cultura.Aplicar no inicio do perfilhamento do capim-colchao e capim-marmelada. Para as demais plantas infestantes, aplicar quando estas apresentarem de 4 a 8 folhas. Utilizar a major dose quando houver major incidência de gramíneas.Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.

MILHO GENET1CAMENTE MODIFICADO:
PARA UMA ÚNICA APLICACAO:
Realizar a aplicação do produto em pós-emergencia da cultura, utilizando a dose de 2,5 a 3,0 L/ha. Observar sempre o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio mediano das plantas infestantes - 3 perfilhos
• Plantas infestantes controladas:
• Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica)
• Capim-marmelada (Brachiaria planiaginca)

Estádio mediano das plantas infestantes - 6 folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Leiteiro (Euphorbia heterophylla)
• Corda-de-viola (Ipomoea purpurea) 
• Caruru (Aniaranthus hybridus)

APLICAÇÃO SEQUENCIAL:
Fazer a aplicação sequencial do produto em pós-emergência cia cultura, utilizando a dose de 1,5 + 1,5 L/ha. Realizar a primeira aplicação quando o milho estiver com 3 a 4 folhas. A segunda aplicação deve ser realizada quando o milho estiver com 5 a 6 folhas.

Observar o estádio de desenvolvimento das plantas infestantes, conforme abaixo:
Estádio pós-precoce das plantas infestantes - 2
folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Leiteiro (Euphorbia heterophylla)
• Corda-de-viola (Ipomoea purpurea) 
• Caruru (Amaranthus hybridars)

Estádio pós-precoce das plantas infestantes - 3 folhas:
Plantas infestantes controladas:
• Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica)
• Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea)

NECTARINA / PÊSSEGO
Aplicar em jato dirigido sem atingir a cultura.Realizar o controle do picão-preto, guanxuma, caruru e picão-branco quando as plantas infestantes estiverem com até 4 folhas. Para capim-colchão e capim-marmelada, fazer a aplicação do produto quando as plantas infestantes estiverem com até 1 perfilho.Recomenda-se unia única aplicação por ciclo da cultura.

REPOLHO:
Realizar a aplicação quando as plantas infestantes apresentarem de 2 a 4 folhas, em jato dirigido, sem atingir a cultura. Proteger a planta de repolho com copinhos plásticos (sistema de copinhos). Recomenda-se uma única aplicação por ciclo da cultura.

SOJA:
Para aplicação no sistema de Plantio Direto (dessecação pré-plantio:Aplicar na fase de pré-semeadura, em pós-emergencia das plantas infestantes, em área total.Para o controle de capim-colchao e eapim-marmelada, realizar o controle quando as plantas infestantes estiverem com ate 2 perfilhos.Para o controle de amendoim-bravo, nabo, picao-preto, poaia, caruru c beldroega, realizar a aplicação do produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 6 folhas. Para o controle de trapoeraba, realizar o realizar o controle quando a planta infestante estiver com 2 a 4 folhas. No controle de trigo, aveia, cevada, centeio, triticale e azevem, realizar o controle quando as plantas infestantes estiverem com ate 2 perfilhos.Para dessecação da cultura em pre-colheita: Utilizar a dose de 2,0 L/ha do produto + 0,7 Ulla (0,2% v/v) de Óleo vegetal ou mineral, aplicado sobre a cultura, 10 dias antes da colheita.Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.

TRIGO:
Para aplicação no sistema de Plantio Direto (dessecação  pré-plantio): 
Aplicar em pre-semeadura da cultura, em pós-emergência das plantas infestantes, em area total. A cultura deve ser semeada 7 dias apos a aplicação do produto.Para o caruru, guanxuma, picao-preto, erva-quente e soja, aplicar o produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 4 folhas. No controle das gramineas, aplicar o produto sobre as plantas infestantes oriundas de sementes na dose de 2,0 L/ha, ate o estádio de desenvolvimento de 1 perfilho.Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.

UVA:
Aplicar em jato dirigido na linha da cultura, evitando atingir o caule da planta.No controle de picao-preto, picao-branco e caruru, aplicar o produto quando as plantas infestantes estiverem com ate 4 folhas. Para o controle de capim-marmelada, aplicar o produto quando a planta infestante estiver com ate I perfilho.Recomenda-se uma Única aplicação por ciclo da cultura.


MODO DE APLICACAO:
A aplicação do herbicida PATROL SL poderá ser efetuada através de pulverização terrestre ou aérea.

APLICACAO TERRESTRE:
Utilizar pulverizadores costais manuais, costais pressurizados ou pulverizadores tratorizados com pontas de pulverização (bicos) do tipo leque, que proporcionem uma vazão adequada para se obter urna boa cobertura das plantas. Procurar utilizar equipamentos e pressão de trabalho que proporcionem tamanhos de gotas que apresentem pouca deriva:Bicos: série 80 ou 110, que promovem gotas medias a muito grossa. Utilizar bicos XR,TT, DC, AI conforme orientação do fabricante para manejo de deriva.
- Pressão de trabalho: 40-60 lbf/pol²
- Diâmetro de gotas: 250 a 500 .t (micra) VN4D;
- Densidade de gotas: 40 gotas/c1T12
- Volume de calda:
• Alface, algodão, batata, citros, eucalipto, feijão, maçã, milho, nectarina, pêssego, repolho, soja e uva: 3 50 L/ha;
• Algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado: 200 a 300 L/ha;
• Banana: 500 L/haPara a cultura do café, considerar o volume de calda de 450 L/ha,
quando for realizar o controle de guanxuma, capim-marmelada e capim-colchão. Para as demais plantas infestantes utilizar o volume de calda de 350 L/ha.Para a cultura do trigo, considerar o volume de calda de 200 L/ha, quando for realizar o controle de buva e capim-amargoso. Para as demais plantas infestantes utilizar o volume de calda de 350 L/ha.- As pulverizações devem cobrir uniformemente as plantas infestantes, evitando escorrimentos, que causam perda e mau funcionamento do produto.- Deve-se sempre utilizar água limpa.- Para as hortaliças (alface e repolho) quando utilizar o "sistema de copinhos", cobrir as mudinhas com copinho plástico, para protegê-la da ação herbicida do produto

APLICAÇÃO AÉREA:
PATROL SI, pode ser aplicado via aérea no caso de aplicação em área total em pré-plantio (dessecação) das culturas de soja e trigo, em pós-emergência do algodão geneticamente modificado e do milho geneticamente modificado e em dessecação das culturas em pré-colheita da batata, feijão e soja, seguindo os seguintes parâmetros:
• Aplicação com aeronave de asa fixa, modelos Ipanema, Airtractor ou outro desde que adequado para esta finalidade;
• Bicos D-20, core 46 ou semelhante, produzindo no mínimo 20 gotas/cm2, com D1v1V entre r ' 250 e 450 g, sendo a largura da faixa de deposição de 15 a 20 m e pressão de 15 a 30 psi, evitando escorrimento na folha;
• Não utilizar bicos rotativos tipo micronair em aplicações aéreas;
• Volume de aplicação de 30 a 40 I_,/ha;
• Respeitar altura de vôo de 3-4 metros.

ATENÇÃO: A aplicação aérea somente deve ser realizada quando não existe o risco de ocorrer contato da pulverização com culturas sensíveis ao PATROL SL. Portanto a indicação desta modalidade de aplicação deve ser previamente avaliada pelo Engenheiro Agrônomo ou Técnico responsável.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
Devem-se observar as condições climáticas ideais para a aplicação via terrestre e aérea do produto, tais como:
- Temperatura ambiente até 30°C;
- Umidade relativa do ar no mínimo de 55%;
- Velocidade do vento entre 3 e 10 km/h;
Para outros parâmetros referentes a tecnologia de aplicação, seguir as recomendações técnicas indicadas pela pesquisa e/ou assistência técnica da região, sempre sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.I

NTERVALO DE SEGURANCA:
Alface, maçã, nectarina, pêssego, repolho e uva ............................7 dias
Algodão.....................................................................................28 dias
Algodão Geneticamente Modificado...............................................116 dias
Banana, batata e soja..................................................................10 dias
Café...........................................................................................20 dias
Citros ........................................................................................40 dias
Eucalipto ....................................................................................UNA
Feijao ........................................................................................5 dias
Milho Geneticamente Modificado...................................................50 dias
Milho e trigo ..............................................................................(1)
(1) Intervalo de segurança não determinado, devido a modalidade de emprego. UNA — Uso no alimentar.

LIMITACOES DE USO:
PATROL SL é um herbicida seletivo condicional, de ação não sistêmica, devendo ser utilizado somente nas culturas para as quais está registrado, observando atentamente as instruções de uso do produto.Chuvas ou irrigação por aspersão no período de 6 horas apos a aplicação do produto, pode reduzir o seu efeito herbicida.Quando o produto for utilizado nas doses recomendadas, não causara danos a variedade indicada.Algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado:
- O produto não promove efeitos negativos quando utilizado dentro das instruções de uso.
- A recomendação de uso do produto é restrita para algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado expressando a proteína PAT, não sendo recomendado o uso do produto neste modalidade sobre cultivares convencionais.
- O produto não deve ser aplicado em plantas infestantes ou culturas que estejam sob "stress", ou quando o solo apresentar-se com deficiência hídrica. Os melhores resultados são (+tidos quando as plantas infestantes se apresentam em condições favoráveis de desenvolvimento.
- O produto não deve ser utilizado em cultivares geneticamente modificadas que não sejam identificadas corno tolerantes ao glufosinato-sal de amônio, especialmente na embalagem de suas sementes.
- Evitar aplicações quando as plantas infestantes estiverem excessivamente molhadas.

Outras restrições:
- Evitar deriva de pulverização e de resíduos do produto sobre lavouras de algodão e milho não identificadas como tolerantes ao glufosinato-sal de amônio, pois podem ocorrer injúrias.
- Certifique-se de usar sementes de boa procedência e identificadas como geneticamente modificadas.
- Restos ou plantas "tiguera" de algodão geneticamente modificado e milho geneticamente modificado não serão controlados por este herbicida, da mesma forma que não serão controladas por herbicidas seletivos convencionais.

Efetivo
Culturas
Alface
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.5 - 2
Intervalo de segurança
7
Culturas
Algodão
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 3.5
Intervalo de segurança
116
Culturas
Bananas
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
10
Culturas
Batatas
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
10
Culturas
Café
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 3
Intervalo de segurança
20
Culturas
Citros
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
40
Culturas
Feijões
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.8 - 2
Intervalo de segurança
-
Culturas
Macieiras
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
7
Culturas
Milho
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.5 - 3
Intervalo de segurança
50
Culturas
Nectarinas
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
7
Culturas
Pêssegos
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
7
Culturas
Repolho
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.5 - 1.5
Intervalo de segurança
7
Culturas
Sojas
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 3
Intervalo de segurança
10
Culturas
Trigo-de-inverno
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.5 - 2
Intervalo de segurança
-
Culturas
Trigo-de-primavera
BBCH
0 - 0
Norma registrada
1.5 - 2
Intervalo de segurança
-
Culturas
Videiras
BBCH
0 - 0
Norma registrada
2 - 2
Intervalo de segurança
7
Culturas
Glifosato que mata todas as plantas
BBCH
0 - 0
Norma registrada
0 - 0
Intervalo de segurança
-
Efetivo
Amendoim-bravo
Amendoim-bravo
Euphorbia heterophylla
Apaga-fogo
Apaga-fogo
Alternanthera tenella
Arranha-gato
Arranha-gato
Acacia plumosa
Arroz
Arroz
Oryza sativa
Azevém
Azevém
Lolium multiflorum
Barba-de-facão
Barba-de-facão
Crepis japonica
Beldroega
Beldroega
Portulaca oleracea
Buva, Voadeira, Rabo-de-foguete
Buva, Voadeira, Rabo-de-foguete
Conyza bonariensis
Cambará
Cambará
Lantana camara
Campainha
Campainha
Ipomoea aristolochiaefolia
Capim-amargoso
Capim-amargoso
Digitaria insularis
Capim-camalote
Capim-camalote
Rottboellia exaltata
Capim-carrapicho
Capim-carrapicho
Cenchrus echinatus
Capim-colchão
Capim-colchão
Digitaria horizontalis
Capim-colonião
Capim-colonião
Panicum maximum
Capim-gordura
Capim-gordura
Melinis minutiflora
Capim-guaçu
Capim-guaçu
Paspalum conspersum
Capim-marmelada
Capim-marmelada
Brachiaria plantaginea
Capim-massambará
Capim-massambará
Sorghum halepense
Capim-milhã
Capim-milhã
Digitaria sanguinalis
Capim-pé-de-galinha
Capim-pé-de-galinha
Eleusine indica
Carrapicho-de-agulha
Carrapicho-de-agulha
Bidens pilosa
Carrapicho-de-carneiro
Carrapicho-de-carneiro
Acanthospermum hispidum
Carrapicho-rasteiro
Carrapicho-rasteiro
Acanthospermum australe
Caruru-de-mancha
Caruru-de-mancha
Amaranthus viridis
Caruru-rasteiro
Caruru-rasteiro
Amaranthus deflexus
Caruru-roxo
Caruru-roxo
Amaranthus hybridus
Centeio-de-inverno
Centeio-de-inverno
Secale cereale
Cevada
Cevada
Hordeum vulgare
Erva-cará
Erva-cará
Dioscorea batatas
Erva-de-bicho
Erva-de-bicho
Polygonum aviculare
Erva-dos-passarinhos
Erva-dos-passarinhos
Stellaria media
Falsa-serralha
Falsa-serralha
Emilia sonchifolia
Fedegosa
Fedegosa
Chenopodium album
feijão
feijão
Phaseolus vulgaris
gervão
gervão
Stachytarpheta cayennensis
Glória-da-manhã
Glória-da-manhã
Ipomoea purpurea
Guanxuma-branca
Guanxuma-branca
Sida glaziovii
Jetirana
Jetirana
Ipomoea grandifolia
Jurubeba
Jurubeba
Solanum paniculatum
Língua-de-vaca
Língua-de-vaca
Rumex obtusifolius
Losna-branca
Losna-branca
Parthenium hysterophorus
Macela-branca
Macela-branca
Gnaphalium spicatum
Malva-branca
Malva-branca
Sida cordifolia
Maria-gorda
Maria-gorda
Talinum paniculatum
Maria-Mole
Maria-Mole
Senecio brasiliensis
Mastruz-miúdo
Mastruz-miúdo
Coronopus didymus
Mentrasto
Mentrasto
Ageratum conyzoides
Nabo
Nabo
Raphanus raphanistrum
Perpétua-de-mato
Perpétua-de-mato
Spermacoce alata
Persicária-de-pé-vermelho
Persicária-de-pé-vermelho
Polygonum persicaria
Picão-branco
Picão-branco
Galinsoga parviflora
Poaia
Poaia
Richardia brasiliensis
Poaia-do-campo
Poaia-do-campo
Spermacoce latifolia
Quebra-pedra
Quebra-pedra
Phyllanthus tenellus
Serralha
Serralha
Sonchus oleraceus
Sete sangrias
Sete sangrias
Cuphea carthagenensis
Soja
Soja
Glycine max
Soliva
Soliva
Soliva anthemifolia
Trapoeraba
Trapoeraba
Commelina benghalensis
Trevo
Trevo
Oxalis oxyptera
Trigo
Trigo
Triticum aestivum
Triticale
Triticale
Triticum secale
Unha-de-vaca
Unha-de-vaca
Bauhinia variegata
Vassourinha-botão
Vassourinha-botão
Spermacoce verticillata
Vassourinha, Guanxuma
Vassourinha, Guanxuma
Sida rhombifolia